As OPA são uma coisa boa?

Ando a ler nos últimos tempos nos jornais especializados que isto de estarem a suceder-se no mercado umas OPA atrás das outras é um sinal positivo para Portugal. A tese é que essas operações, que envolvem investimentos bancários de muitos e muitos milhões, endividamentos monstruosos de empresas portuguesas, movimentos de capitais vindos de fundos estrangeiros mais ou menos desconhecidos para o comum dos mortais, revelam que quem tem dinheiro a sério antevê um relançamento da economia portuguesa e por isso aposta no nosso mercado para ganhar, claro, muito mais dinheiro. 

Tirando o facto de eu constatar que quase sempre, no mundo da alta finança, quem ganhou muito dinheiro fez com que alguém perdesse muito dinheiro, não me parece que essa visão tão optimista da situação seja assim muito realista. 

Esta minha observação à “velho do Restelo” decorre de umas dúvidas que eu, ignorante em assuntos deste tipo, tenho e não vejo respondidas na tal imprensa especializada. Como temos a certeza que o valor que hoje tem para o País a Portugal Telecom, a Sonae, o BCP e o BPI consegue sobreviver a este teste convulsivo? Como pode alguém garantir que nesta luta sem tréguas, onde se decide o destino a dar a milhões de contos e o emprego de milhares de pessoas, não se irão cometer erros fatais, capazes de liquidar, de um dia para o outro, o que ainda temos de vida financeira no País? Como podemos ter a certeza que, no deve e haver final, na contabilidade dos ganhos e perdas, não acabaremos por nos deparar com uma calamidade? Quem nos garante que, afinal, tudo isto não passa de uma suicida fuga para a frente rumo a um angustiante abismo? Sim, estou muito preocupado e com um bocado de medo. 
in 24horas, 25 de Março de 2006

Sem comentários:

Enviar um comentário